segunda-feira, 22 de maio de 2017

22 de Maio - Dia Internacional da Biodiversidade

Proclamado pelas Nações Unidas

A 22 de maio comemora-se o Dia Internacional da Biodiversidade proclamado pelas Nações Unidas (NU) com o objectivo de aumentar o grau de consciencialização e conhecimentos acerca da biodiversidade.
 
Inicialmente, esta efeméride era comemorada a 29 Dezembro (data da entrada em vigor da Convenção da Diversidade Biológica). Porém, em Dezembro de 2000, a Assembleia Geral das NU adotou 22 de maio como Dia Internacional da Biodiversidade, para comemorar a adoção do texto da Convenção a 22 de maio de 1992 pelo “Nairobi Final Act of the Conference for the Adoption of the Agreed Text of the Convention on Biological Diversity”. Tal deve-se, em parte, à dificuldade que muitos países sentiam em conseguirem organizar comemorações a 29 de Dezembro época coincidente com outras comemorações. 






segunda-feira, 15 de maio de 2017

terça-feira, 2 de maio de 2017

Vivemos numa panela de pressão...

Nasci 6 anos depois de ter terminado a segunda guerra mundial, isto é, na segunda metade do século XX.
Isso, primeiro pela inocência da idade, depois por acreditar nos homens de boa vontade, nunca me preocupou.
Apesar de todas as ameaças e guerras mais ou menos frias, mornas ou quentes, nunca considerei estar a vida na Terra em risco, porque os presidentes dos países que poderiam iniciar um novo conflito à escala mundial, têm CU e como se diz, quem tem cu tem medo.
Isto quer dizer que nunca considerei como graves os distúrbios mentais de quem governa as grandes potências bélicas do mundo.
Nunca considerei estas deficiências até hoje...
E porquê estou preocupado agora? Como devem imaginar ao ver um xanfrado a governar a Coreia do Norte e um xanfrado a governar os Estados Unidos da América com um terceiro xanfrado à espera de ver qual destes dois é mais xanfrado (refiro-me como devem ter percebido a Putin da Rússia) a preocupação assaltou-me ao ouvir as últimas notícias.
Treinos na Peninsula da Coreia, testes de misseis, palavras provocatórias de parte a parte, põem aquele local do mundo numa espécie de panela de pressão pronta a explodir a qualquer momento.
Não preocupa o meu futuro que será mais ou menos curto e que deixo nas mãos de Deus. Mas preocupa-me o futuro dos meus filhos e netos e dos filhos e netos de todos os que têm a minha idade ou mesmo mais novos que eu.
Que acima da loucura dos protagonistas, haja o bom senso dos homens, para que este futuro (incerto) se torne uma certeza, porque a vida apesar de todas as vicissitudes que enfrentamos vale a pena ser vivida do principio ao fim sem ser interrompida por loucos que infelizmente passam ao lado dos hospícios e chegam ao poder das nações e das armas de destruição em massa.

Fotografia da internet/Reuters



Fanny, minha fiel companheira, 1 ano de vida,,,



Por Mafra